Formação de Medical Flossing®

O que é o Medical Flossing ®?

A Medical Flossing® é uma banda elástica em latex (existe também a opção sem latex) com a espessura de 1 a 1.5mm. Dependendo da indicação e do objetivo terapêutico a banda é envolta em torno da área afetada, com diferentes intensidades de pressão, de forma circular. Através da pressão externa induzida a força de coesão da banda na superfície da pele e a estimulação dos receptores subcutâneos obtemos um variado leque de efeitos. 

A pressão intra-articular aumenta significativamente quando as articulações estão sob compressão. Através do movimento o líquido geralmente move-se dentro da cápsula articular na região com menor tensão. A Medical Flossing® intensifica a pressão uniforme em todas as regiões da cápsula articular de forma a que mais quantidade de líquido possa ser reabsorvido e os detritos são eliminados mais rapidamente em comparação com outros métodos. Simultaneamente a compressão gera um fluxo de sangue local que o paciente descreve como sensação agradável. Este aspeto estimula o metabolismo resultando assim num melhor trofismo.

Outro mecanismo de ação relaciona-se com o estímulo dos mecanorecetores que, devido à pressão, sobrepõe a informação dos nociceptores resultando numa melhor tolerância em amplitudes de movimento maiores.

Este método inovador pode ser utilizado como terapia coadjuvante.

 

 

Durante esta formação essencialmente prática será enfatizada a consciencialização de como usar a Medical Flossing® nos seus diferentes campos de aplicação. Impulsionando para pensamentos diferenciados, você aprenderá a aplicar a banda de flossing em inúmeros métodos de tratamento com diversos objetivos. Os fundamentos teóricos desempenham um papel muito importante nesta formação para a aplicação da técnica. Hoje em dia, o uso do Medical Flossing® é um termo generalizado que torna ainda mais importante conhecer os potenciais riscos e ser sensibilizado para as influências do corpo em diferentes níveis. Isso protege-o de cometer “erros” podendo também ser um elemento diferenciador na prática clínica.

 

Conteúdos da formação:

• 70% prática;  30% teórica 

• classificação fisiológica fundamental do sistema miofascial, biomecânico, bioquímico e neuromuscular no contexto do Medical Flossing®.

• Possíveis modos de ação da Medical Flossing® no sistema muscular, fáscia, articulações e edemas.

• Técnicas de aplicação referem-se a diferentes objetivos

• Medical Flossing® no Desporto de competição (treino / terapia)

• Medical Flossing® na regeneração

• Medical Flossing® em combinação com técnicas terapêuticas

• Medical Flossing® com pacientes geriátricos e neurológicos (e muito mais)

• Inclui uma banda Medical Flossing® (produto médico)

 

Publico alvo:
Fisioterapeutas
Quiropratas
Personal Trainers
Médicos do Desporto
Professores de Educação Física

 

Data: 

  • 7 de Abril de 2018

 

Duração:

  • 7 horas

 

Horário:

  • 9h-17h 

 

Vestuário:

  • Uso de calções e t-shirt, roupa confortável.

 

Investimento:

  • 159 euros (inclui uma banda Medical Flossing®)

 

 

Certificação:

  • Certificado emitido pela Medical Flossing®

 

Local da formação:

  • Avenida Miguel Bombarda, 43. 4420-502 Valbom, Gondomar

Inscrições limitadas a 18 formandos.

 

informações e inscrições através dos contactos disponíveis em rodapé ou aqui

EMS training

EMS Training

 

Bem vindo/a ao novo conceito de treino e reabilitação.

Este método utiliza electroestimulação (correntes de média frequência) para potenciar o seu treino ou reabilitação.

Movimenta até 350 músculos ao mesmo tempo e alguns deles, justamente, não são atingidos através da musculação ou atividade física convencional. Ao mesmo tempo, devido ao aumento metabólico, a eliminação de massa adiposa acontece de forma mais rápida e fácil. 

Simultaneamente sabemos que o colagénio, produzido em resposta ao estímulo elétrico,  é uma das proteínas mais importantes para a manutenção das células do corpo humano pois é uma proteína que dá estrutura, firmeza e elasticidade, mantém as células firmes e unidas, sendo não só importante para a integridade dos músculos mas também dos ligamentos, dos tendões e das articulações.

Tudo isto, enquanto pratica os seus exercícios!

Saiba aqui como funciona no nosso organismo.

 

 

 

Consultas de Nutrição

Já disponíveis para si, consultas de nutrição com Joana Castro!

Um serviço personalizado, realizado a pensar no seu conforto e ajustado às suas necessidades.

Em cada consulta realiza-se:

– Anamnese Alimentar;
– Avaliação Antropométrica;
– Exame de Bioimpedância;
– Plano Alimentar Personalizado – adaptado ao estilo de vida, gostos alimentares, rotinas e necessidades.

 

 

 

Aulas de Pilates Clínico e Yoga

 

“O ponto de partida de qualquer conquista é o desejo.”  Napoleon Hill

E por essa razão ampliamos a nossa oferta de serviços tendo em vista o crescimento e a oferta de uma equipa com especialistas nas diferentes áreas de forma a que, connosco, se sinta sempre seguro.

A partir de Junho teremos um novo espaço onde teremos disponíveis aulas de Pilates Clínico (em grupo ou personalizado), aulas de meditação (Hata Yoga) e um espaço onde podemos combinar o exercício terapêutico à recuperação ou otimização da sua saúde. Tudo isto…num só espaço.

Informe-se connosco das condições de pré-adesão que temos para si.

 

Até breve!

FisioQi

“Inspirados pela saúde”

 

Podologia

Considerados como o segundo coração, os pés, podem desenvolver diversos problemas, entre eles, deformidades, muitas vezes não tratáveis sem a ajuda de um especialista. Quando estes fenómenos surgem, o nosso equilíbrio estrutural fica comprometido podendo acontecer dor articular, muscular, entre outros.

Os Benefícios dos Alongamentos

Muitos estudos contemporâneos mostraram que pessoas activas têm vidas mais completas. Têm mais resistência, enfrentam melhor as doenças e mantêm-se elegantes. São mais confiantes, menos deprimidas e, frequentemente, mesmo tarde na vida, ainda trabalham energicamente em novos projectos.

A pesquisa médica mostrou que grande parte dos problemas de saúde estão directamente relacionados com a falta de actividade física. Ter consciência deste facto, juntamente com um maior conhecimento dos cuidados de saúde, está a alterar os estilos de vida. O actual entusiasmo pelo movimento não é moda passageira. Apercebemo-nos agora de que a única forma de evitar doenças relacionadas com a inactividade é mantendo-nos activos – não durante um mês ou um ano, mas durante toda a vida.

Os nossos antepassados não tinham os problemas provocados pela vida sedentária, tinham de trabalhar muito para sobreviverem. Mantinham-se fortes e saudáveis devido ao contínuo e vigoroso trabalho no exterior: cortar lenha, cavar, cultivar, plantar, caçar, e todas as outras actividades diárias. Com a revolução industrial, as máquinas começaram a fazer o trabalho que antes era feito manualmente. À medida que as pessoas se tornaram menos activas, começaram a perder força e o instinto natural do movimento.

Mas os tempos mudaram. Descobrimos que a saúde pode ser controlada, que podemos evitar as doenças e a falta de saúde. Já não nos contentamos em estar sentados a estagnar. Agora estamos em movimento, estamos a redescobrir as alegrias de uma vida activa e saudável. E mais ainda, podemos recomeçar uma vida mais saudável e gratificante, em qualquer idade.

Todas as pessoas podem aprender a fazer alongamentos, independentemente da idade ou da flexibilidade. Não é necessário estar nas melhores condições físicas ou ter capacidades atléticas específicas. São aplicadas as mesmas técnicas de alongamento se estiver sentado a uma secretário todo o dia, a cavar, a fazer trabalhos domésticos, em pé numa linha de montagem, a conduzir um camião ou se fizer regularmente exercício. Os métodos são suaves e fáceis, adaptando-se às diferenças individuais das tensões musculares e da flexibilidade. Assim, se é saudável, se não tem nenhuns problemas físicos específicos, pode aprender a fazer alongamentos com toda a segurança e prazer.

Os alongamentos podem ser feitos sempre que lhe apetecer: no emprego, no carro, à espera do autocarro, a passear na rua, sob uma árvore após uma caminhada, ou na praia. Faça os alongamentos antes e depois da actividade física, mas faça-os também em diversas ocasiões ao longo do dia.

Os alongamentos, porque relaxam a mente e harmonizam o corpo, deveriam fazer parte do nosso dia-a-dia. Irá aperceber-se de que, ao fazer regularmente alongamentos, conseguirá:

Redução da tensão muscular e uma sensação mais relaxada do corpo.
Melhor coordenação, ao permitir movimentos mais livres e fáceis.
Aumento da extensão do movimento.
Ajuda na prevenção de lesões, como distensões musculares (Músculos fortes, flexíveis e previamente alongados, resistem melhor à tensão do que músculos fortes, rígidos e sem alongamento).
Mais facilidade na concretização de actividades vigorosas, como correr, esquiar, jogar, ténis, nadar e fazer ciclismo, uma vez que o prepara para a actividade; é uma forma de avisar os músculos de que vão ser usados.
Uma mais fácil manutenção do actual nível de flexibilidade, de forma que com o passar do tempo não fique cada vez mais tenso.
Uma consciência física mais desenvolvida; à medida que faz os alongamentos em áreas do corpo específicas, estará a concentrar-se nelas e fica assim a conhecer-se melhor.
Maior liberdade em relação ao controlo da mente, de forma a que o corpo se mova “por si mesmo” e não por competição ou egoísmo.
Uma agradável sensação.

Todas as pessoas podem estar em forma, com a abordagem correcta. Não é preciso ser-se um grande atleta. Mas tem de ser feito com calma, em particular no início. Dê tempo ao seu corpo, e mente, de se adaptarem à pressão da actividade física. Comece sem esforço e seja regular. Não se consegue ficar em forma de um dia para o outro.

Quando se fazem alongamentos regularmente e exercício físico com frequência, aprendemos a aproveitar o movimento. Lembre-se de que cada um de nós é um ser físico e mental único, com os nossos próprios ritmos confortáveis e agradáveis. Todos temos forças, resistência, flexibilidade e temperamentos diferentes. Se conhecermos o nosso corpo e as suas necessidades, seremos capazes de desenvolver o nosso próprio potencial e gradualmente construiremos as bases da boa forma que durarão uma vida inteira.

Artigo retirado de “Alongamentos” de Bob Anderson

 

Qualquer dúvida, contacte-nos:

A Sáude do Cérebro e do Coração começa na Boca

No ultimo século, sobretudo nas grandes metrópoles, verificamos uma diminuição do consumo de alimentos ricos em ácidos gordos polinsaturados ómega 3 (presentes no peixe, alguns vegetais e frutos secos) e a um aumento do consumo de ómega 6 (carne de vaca, porco, vitela, frango, peru, salsichas, óleos vegetais, ovos, leite e derivados, manteiga, margarina e cereais), uma alteração prejudicial à saúde do corpo e da mente.

De facto, têm surgido cada vez mais estudos que indicam que os ácidos gordos ómega 3 são importantes para a prevenção de doenças cardiovasculares (como enfartes do miocárdio e arritmias), contribuindo para a redução dos factores de risco, como o colesterol, triglicéridos e evitando a hipertensão arterial. São também essenciais para a prevenção de outras doenças, como a diabetes, a artrite reumatóide, a osteoporose e vários cancros, e para o desenvolvimento cerebral e manutenção da memória e do raciocínio, prevenindo a arteriosclerose.

Segundo os últimos estudos, os ácidos gordos ómega 3 são importantes para a prevenção de doenças psiquiátricas, como a depressão e algumas perturbações da ansiedade. Os ácidos gordos ómega 3 e ómega 6 têm uma elevada importância na composição do cérebro, representando 20% da gordura total. Destes ácidos gordos, destaca-se o DHA, um dos ómega 3, que existe em concentrações privilegiadas nos fosfolípidos cerebrais e neuronais, tendo-lhe sido atribuído um papel neuro-protector. O metabolismo destes ácidos é muito importante em vários processos implicados no envelhecimento cerebral e em doenças do foro psiquiátrico, como a depressão. Ou seja, o consumo regular de peixe (seja fresco, congelado, salgado, seco, ou em conserva, em duas ou mais refeições por semana), nomeadamente o peixe mais rico em ácidos gordos ómega 3, tem um papel muito importante na prevenção de doenças, como as patologias cardiovasculares e doenças psiquiátricas, como a depressão.

A importância do consumo dos ácidos gordos ómega 3 na depressão é ainda reforçada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que estima que a doença depressiva seja em 2030 o primeiro diagnóstico mais incapacitante, seguido do diagnóstico de doença isquémica coronária. Pela sua saúde, procure ter uma melhor e mais equilibrada alimentação!

 

 

 

Qualquer dúvida, contacte-nos:

O Impacto de Noites Mal Dormidas

Um estudo feito com quase 21 mil jovens australianos entre os 17 e os 24 anos mostrou que a falta de sono adequado pode levar a várias formas de ansiedade. O risco aumenta 14% a cada hora a menos de sono, tendo como base as 8 horas que os especialistas recomendam. Quem dorme menos de 6 horas por noite tem duas vezes mais propensão a desenvolver estes problemas do que quem dorme 8 horas, segunda a pesquisa.

A pesquisa publicada na revista SLEEP, encontrou a mesma relação em pessoas que já sofrem de algum grau de depressão ou ansiedade. Cada hora a menos de cama aumenta em 5% a probabilidade de a pessoa continuar com o problema psicológico por mais 1 ano. Nenhuma relação foi encontrada com pessoas que dormem até 9 horas por noite.

Os pesquisadores também descobriram que o risco de começar os problemas psicológicos foi maior naquelas pessoas que costumam dormir menos ainda. Quem passa apenas 5 horas na cama tem três vezes mais probabilidade de desenvolver problemas. Mas, quem dorme 7 horas por noite e tem boa saúde mental parece não ser impactado por não ter as recomendadas 8 horas de sono.

Contudo, segundo os pesquisadores, a relação entre falta de sono e problemas psicológicos é complexa porque também é possível que a falta de sono seja justamente um dos sintomas de ansiedade e depressão. Para eles, o aumento do stress em jovens de várias regiões do mundo pode ter sido causado pelo estilo de vida que os levou a dormir menos.

 

 

 

Qualquer dúvida, contacte-nos:

Caminhar Emagrece Mais que ir ao Ginásio

Melhoria da capacidade respiratória, redução do risco de problemas cardiovasculares, activação do metabolismo e combate à retenção de líquidos são apenas alguns benefícios promovidos por uma caminhada vigorosa. Esta actividade pode emagrecer mais do que uma ida ao ginásio se, claro, algumas regras forem seguidas.

Como emagrecer com caminhada:

 

  • Regularidade: para conseguir perder peso com caminhada é fundamental que a actividade seja realizada com regularidade. O ideal é guardar um tempo todos os dias para o exercício, mas, se não conseguir, caminhar de três a quatro vezes por semana já é considerada uma boa periodicidade.

 

  • Tempo: quem deseja emagrecer a caminhar necessita de gastar pelo menos 30 minutos na actividade. Estudos apontam que andar rápido durante pelo menos 30 minutos ajuda a manter o Índice de Massa Corporal (IMC) mais baixo e a cintura mais fina, eliminando massa adiposa localizada na barriga.

 

  • Velocidade: manter um ritmo mais veloz na caminhada, que faça suar, é essencial para emagrecer. Andar lentamente promove benefícios à saúde, mas não traz grandes resultados para a balança. Portanto, invista em caminhadas vigorosas, sempre prestando atenção a outros aspectos igualmente importantes, como movimentação dos braços conforme o andar, a contracção do abdómen, peito para fora com corpo erecto e a colocação das pontas dos pés sempre ligeiramente elevadas.

 

 

Qualquer dúvida, contacte-nos:

10 de Outubro – Dia Mundial da Saúde Mental

Os distúrbios mentais podem ser altamente incapacitantes e podem afectar qualquer pessoa, em qualquer idade. Geralmente, são provocados por alterações do sistema nervoso central. 😣
 
Há vários tipos de transtornos, de entre os quais destacamos os mais comuns:
 
👉 Distúrbios alimentares: têm em comum uma preocupação excessiva com o peso corporal, que gera comportamentos alimentares anómalos, prejudiciais à saúde e com potencial risco de vida. É o caso da anorexia e da bulímia.
 
👉 Bipolaridade: provoca oscilações no humor, variando entre tristeza profunda e excesso de extroversão, por exemplo.
 
👉 Ansiedade: faz parte do quadro clínico da depressão. Caracteriza-se por sentimentos de tensão, preocupação, insegurança, aumento da pressão arterial e da frequência cardíaca.
 
👉 Transtorno obsessivo-compulsivo: caracteriza-se por pensamentos obsessivos e compulsivos que prejudicam a actividade diária, como o exagero na limpeza, obsessão por lavar as mãos ou necessidade de simetria, por exemplo.
 
👉 Depressão: é das doenças psiquiátricas mais comuns e passa muitas vezes despercebida. Define-se por uma tristeza profunda.

Sabia que temos alguns vídeos explicativos sobre estas patologias? Interessado em saber mais? Consulte os seguintes artigos:

– O Impacto da Caminhada contra a Depressão –

Temos várias soluções que podem atenuar/eliminar estes sintomas. Entre em contacto com a nossa equipa e saiba como podemos ajudar! 

 

 

Qualquer dúvida, contacte-nos:

Stress e a sua Influência no Corpo

O Stress faz parte da natureza humana e constitui uma reacção do organismo a determinadas situações ou estímulos. Cada pessoa tem um nível de resistência muito próprio, o que torna difícil defini-lo e medi-lo.

A velocidade a que vivemos hoje em dia, as mudanças constantes, desafios, surpresas, e outras, fazem com que o stress cause reacções físicas e psicológicas muito mais profundas do que aquilo que julgamos.

Isso faz com que a pessoa muitas vezes sinta que a sua vida é uma prisão, presa a horários, trabalho, rotinas, entre outras. Este pensamento leva a outras crises mais graves como a depressão ou mesmo a exaustão.

Sabia que quando se encontra no meio de uma reacção de stress, as funções de auto-reparação e auto-manutenção do corpo, diminuem abruptamente?

– A frequência cardíaca aumenta, assim como o ritmo respiratório, tornando a respiração mais superficial e fazendo com que o metabolismo acelere e liberte glicose para a corrente sanguínea.

– No estômago as enzimas digestivas diminuem, dando a sensação de acidez, podendo trazer diarreias e/ou obstipações, assim como vómitos ou contrações do esófago.

– Existe também uma diminuição no líbido e sistema reprodutor, assim como dificuldade em conciliar o sono, ficando a pessoa em estado de alerta.

As emoções e pensamentos que activam este sistema são, por exemplo, o medo, a frustração, o ressentimento, a ansiedade e emoções semelhantes, que pela carga de negativismo que possuem, alteram o ambiente interno do seu organismo.

Como interromper então este mecanismo que nos é tão prejudicial?

Através do córtex frontal consciente, responsável pela reacção de relaxamento e que se activa através de pensamentos e emoções positivas, este é o responsável por sentirmos amor, ligação, intimidade, prazer e esperança. Nestes casos, o hipotálamo pára de activar as reacções de stress: o sistema nervoso simpático desliga-se, os níveis de cortisol e adrenalina baixam, o sistema parassimpático assume o controlo e o sistema imunitário reactiva-se, levando a cabo os processos necessários de auto-reparação.

Assim sendo, podemos dizer que a mente e os nossos pensamentos têm um papel extremamente importante nos processos de cura, sendo que pessoas com auto-estima, ao tenderem a ser mais positivas, optimistas e proactivas, activam o processo de relaxamento do organismo, dando espaço para que o sistema imunológico se concentre nos processos de autocura, nos resultados dos tratamentos e no comportamento físico face a doenças.

A mentalidade positiva aliada a bons hábitos no que toca a exercício regular e alimentação saudável, irá fazer com que exista uma grande diminuição dos níveis de stress e faz com que se sinta muito mais relaxado/a.

Num determinado momento, o esforço gerado por cada um pode não ser o necessário. Por falta de conhecimento de estratégias, de incentivo ou até mesmo pela dificuldade de resposta ao seu plano, pode iniciar um ciclo de tentativas-erro que podem gerar frustração ou desânimo.

Existem, no entanto, algumas áreas que se destacam no alívio do stress, entre elas, a Psicologia, Coaching, Medicina Chinesa, Osteopatia, Reiki…

Esteja atento/a aos sintomas e não deixe que o stress tome controlo da sua vida. Lembre-se que pensamentos positivos influenciam o seu sistema imunitário e de auto-reparação.

Por isso sorria! Seja feliz e utilize todo esse positivismo para potenciar a sua saúde!

 

 

Qualquer dúvida, contacte-nos:

Transtornos do Sono

Passamos cerca de 1/3 da nossa vida a dormir, e sendo assim, conseguimos entender a importância do sono como elemento reparador nas nossas vidas.

Sabia que o sono normal se divide em 4 fases?

A fase 1 aparece na transição inicial de vigília, sono e depois de acordar, caracteriza-se por um EEG (electroencefalograma) de baixa amplitude, movimentos lentos dos olhos, e um EEG de menos amplitude que a vigília relaxada.

A fase 2 caracteriza-se por um EEG de baixa amplitude e cruzada de frequências. Aparecem ondas de grande amplitude com um componente negativo e outro positivo, chamadas complexo K. Nesta fase registam-se movimentos oculares.

As fases 3 e 4 são caracterizadas por um EEG que contém ondas lentas de grande amplitude.

As alterações do sono são altamente incapacitantes ao nível social, escolar e laboral, limitando o doente no seu dia-a-dia e comprometendo o seu desempenho e produtividade. A importância dos transtornos do sono demonstra-se pela elevada prevalência destes ao longo da vida, assim como pelo aumento da mortalidade. As sequelas aparecem ao nível somático, psíquico e social. Um exemplo poderá ser as doenças cardiovasculares, a síndrome de apneia do sono. A excessiva sonolência provoca sequelas nas funções cognitivas (atenção, concentração e memórias).

Podemos dizer que as perturbações do sono se caracterizam em dois tipos:

– As parasónias que se manifestam por pesadelos, sonambulismo e terror noturno. Existem estudos que concluem que o fator idade ou maturidade diminui a ocorrência deste tipo de perturbações do sono.

– As dissónias que ocorrem com o sono excessivo. O excesso de sono pode originar diversos quadros clínicos (por exemplo, transtornos do ritmo cardíaco, alterações de humor, ansiedade, ou síndromes como a apneia do sono e narcolepsia).

Distúrbios do Sono

Publicado por FisioQi – centro de terapias em Segunda-feira, 26 de agosto de 2019

Qualquer dúvida, contacte-nos:

Ansiedade – O que fazer para Controlar a Mente Ansiosa?

Reconhece quais são os sintomas de ansiedade?

Já alguma vez se sentiu ansioso com algum acontecimento?

No artigo anterior falámos sobre os vários tipos de ansiedade e os seus sintomas. Neste artigo apresentamos algumas técnicas simples para ajudar a controlar estes tipos de reacções.

O que fazer então para gerir a Ansiedade?

– Deixe de dramatizar!

Esta técnica lida com a tendência para dramatizar, que provoca todos os tipos diferentes de ansiedade de que as pessoas sofrem: pânico, ansiedade generalizada e ansiedade social. De facto, pressupor o pior sobre uma situação agrava os sintomas.

– Aprenda que uma sensação é apenas uma sensação.

A crença de que estas sensações não podem ser toleradas provoca mais problemas que as próprias sensações, pois só a crença não só intensifica as sensações, como também gera um sentimento de desespero que interfere com o controlo.

– Afaste os pensamentos sobre morrer, enlouquecer ou perder o controlo!

– Abandone os pensamentos ansiosos!

Aplique com sucesso a técnica de parar o pensamento. O processo de acalmia da ansiedade mental começa antes da paragem de pensamentos. Em primeiro lugar, é preciso saber acalmar o corpo ansioso. A má notícia é que, ao contrário da acalmia física, que pode funcionar de imediato, acalmar a mente ansiosa e parar os pensamentos ansiosos necessita de tempo e prática. A boa notícia é que a alta energia de cérebro ansioso pode ser usada para evitar os pensamentos ansiosos e substituí-los por pensamentos positivos.

– Contenha a sua preocupação

Preocupe-se bem e só uma vez, ou seja, saiba distinguir aquilo que é um verdadeiro problema daquilo que é preocupação infundada. Isto implica analisar o que podemos controlar em oposição ao que não é possível controlar.

– Comece por fazer uma lista e sublinhe todas as coisas que o/a possam preocupar

– Faça tudo o que deve ser feito e não adie.

Em certos casos, as acções só são necessárias se o problema ocorrer

– Estabeleça uma data em que precisará de voltar a pensar no problema e escreva isso num papel.

Sempre que a preocupação voltar, declare de imediato: “Pára! Já estou preocupado!”

– Convença-se a mudar de comportamento!

Mude a forma como fala consigo próprio, as pessoas acreditam que aquilo que dizem para si próprias é verdadeiro.

– Encontre a Auto-Convicção!

A aprendizagem de estratégias de auto-convicção positiva é um aspecto fundamental da gestão da mente ansiosa. O mundo e as pessoas refletem-se nas escolhas que fazemos, e o seu impacto revela-se na auto-convicção.
Até as pequenas ideias que geram ansiedade devem ser identificadas e corrigidas.

Estes são os processos que todos nós podemos tentar realizar…. no entanto, existem outras formas de relaxar o cérebro e diminuir a ansiedade.

Métodos como a Acupuntura, Técnicas de Respiração, Coaching/Psicologia e exercício regular, estão comprovadas no melhoramento e até mesmo na eliminação dos sintomas.

Acima de tudo é necessário uma mentalidade positivista, de que tudo correrá bem e será ultrapassado.

Esse é o verdadeiro segredo na maioria dos tratamentos.

 

 

Qualquer dúvida, contacte-nos:

Impacto da Caminhada contra a Depressão

Uma simples caminhada rápida nos arredores de casa pode ter um papel importante no combate à depressão, segundo um recente estudo de uma universidade da Escócia. Estudos anteriores já tinham demonstrado que exercícios vigorosos aliviam os sintomas de depressão, mas o efeito de actividades menos árduas ainda não foi analisado em profundidade.

O novo estudo, publicado na revista científica Mental Health and Physical Activity afirma que “caminhar é uma forma de intervenção efectiva contra a depressão” e tem resultados similares aos de formas mais vigorosas de exercício.

O estudo da Universidade de Stirling investigou 341 pacientes inseridos em 8 pesquisas.

1 em cada 10 pessoas enfrenta a depressão em algum momento da vida. Apesar do problema poder ser tratado com medicamentos, a prática de exercícios é muitas vezes prescrita por médicos como tratamento contra formas mais brandas da doença. Adrian Taylor, investigador de efeitos dos exercícios contra a depressão, os vícios e o stress, da Universidade de Exeter, em declarações à BBC, afirmou que o ponto positivo da caminhada é que todas as pessoas já fazem isso no dia-a-dia.

“Há benefícios contra problemas de saúde mental como a depressão” afirmou. Ainda não se sabe exactamente como os exercícios ajudam no combate à depressão. Taylor diz que podem funcionar como uma distracção dos problemas dando uma sensação de controlo e libertando hormonas do “bom-humor”.

 

Qualquer dúvida, contacte-nos:

Implicações na Coluna e Pescoço de “Texting”

Gostaríamos de agradecer aos autores do artigo” ‘Pescoço de texto’: Uma epidemia da era moderna dos telemóveis? “Por destacar um novo comportamento que é suposto causar consequências músculoesqueléticas. Concordamos que houve um potencial aumento do uso prejudicial e dependência de telemóveis para mensagens de texto, combinado com a crescente prevalência de dor no pescoço.

 

No entanto, algumas reivindicações e recomendações dos autores precisam de uma discussão mais aprofundada. Os autores afirmaram que os achados de Hansraj são bastante alarmantes porque a carga estimada na coluna cervical durante as mensagens de texto por telefone celular é de 49 lb enquanto o pescoço está a 45 graus e 60 lb enquanto o pescoço está a 60 graus.

 

No entanto, a força média de compressão com a qual as unidades do corpo cervical disco-vertebral atingem seu limite elástico em amostras cadavéricas é de 540 lb. Além disso, Przybyla et al afirmaram que as pessoas vivas podem resistir e se adaptar a cargas mais altas do que as amostras cadavéricas.

 

Alguns estudos afirmam que o aumento da tensão na coluna cervical pode resultar em degeneração acelerada do disco. Consideramos que não é tão plausível quanto parece. Há evidências de estudos longitudinais com gémeos em que o fator mais forte associado à degeneração do disco é genética e o segundo é o envelhecimento. É também muito importante considerar que a degeneração do disco é muito comum em pessoas assintomáticas, e a dor no pescoço é muito comum em pessoas sem degeneração do disco.

 

Em relação ao estudo longitudinal de Gustafsson et al, os autores enfatizaram a associação entre dor persistente no pescoço e dor na parte superior das costas com o tempo gasto em mensagens de texto. No entanto, o principal achado do estudo foi que, entre os participantes que não apresentavam sintomas na linha de base, foram encontradas associações prospectivas entre mensagens de texto e novos casos de sintomas relatados nos dedos das mãos apenas após 1 ano de acompanhamento. Portanto, as mensagens de texto no celular não eram um factor de risco para o desenvolvimento de dores no pescoço. Além disso, o estudo não avaliou a postura do pescoço dos participantes.

Existe um raciocínio predominante entre os profissionais de saúde de que a principal causa de dor na coluna é a vulnerabilidade estrutural, de modo que a correção da postura desempenha um papel importante na prevenção de danos nos tecidos. A crença na dor como sinónimo de dano nos tecidos pode contribuir falta de segurança do paciente durante as primeiras consultas. Além disso, esse comportamento é uma possível causa do excesso de cuidados de saúde de baixo valor, como prescrições excessivas de exames por ressonância magnética e intervenções precoces de fisioterapia para dores na coluna vertebral.

 

 

Qualquer dúvida, contacte-nos: